O que é auto estima?

Pode ser que auto estima seja visto de formas diferentes, mas vou dizer o que eu entendo disso. Nào sei explicar o porque exatamente, mas minha auto estima sempre foi muito baixa. E veja, a auto estima não tem nada haver como os outros te veem mas sim como você se vê. E eu sempre me via como uma menina sem graça, meio burra, menos que todas as outras. Chegava a ter um mecanismo em que quando eu conhecia alguém, buscava nessa pessoa qualquer qualidade e ai pronto, ela ficava superior a mim.

Foram muitos anos e muitas porradas violentas para que eu passasse a me ver de outra forma. Mas muitas mesmo! Casamentos fracassados, incapacidade de me valorizar ou ao que fazia e assim vergonha de ganhar dinheiro e por ai vai. Cada porrada acabou servindo para que, a cada sobrevivência minha, eu me fortalecesse e começasse a perceber algum valor. Passei a vida querendo me moldar e agradar aos outros, sem perceber que nem me conhecia. Eu era a menina boazinha que era legal. Sendo legal, as chances de gostarem de mim eram maiores. Me impor? Nem pensar! E sabe o que acabou acontecendo? A boazinha que dava amém para tudo, não tinha graça. Não era valorizada.

Com o tempo e sem perceber, fui gostando da pessoa que eu tinha me tornado, das conquistas que fui tendo, aprendendo com os tombos. Aprendi a me perceber, o que não me fazia feliz e com esforço, muito esforço, verbalizar isso para os outros. E ao invés de ser rejeitada, acabei sendo sim, mais valorizada. Porque não sei o motivo, mas as pessoas só valorizam mesmo quem se valoriza e dá limites.

Se eu disser que não vacilo mais, que a garganta não dá um nó quando preciso falar algo ou me impor aos outros, estaria mentindo. Mas eu vou e faço, gaguejando, suando, tropeçando, mas vou. E mesmo que não seja como gostaria, eu dou esse passo e me sinto muito bem a cada desafio que enfrento. E me fortaleço. E assim vim construindo minha auto estima, passando a me respeitar. A não me sujeitar ao que não me agrada ou faz bem. Claro que é difícil, custa bastante, mas quando você começa a se amar e se dar valor, parece que o universo conspira a seu favor e isso vai refletindo e enriquecendo a cada dia. Não me importo mais com o que pensem de mim, claro, posso ficar chateada, mas será por pouco tempo, pois aprendi que sou uma mulher de valor. nada a ver com beleza, tudo a ver com amor próprio.

A hora certa?

Existe hora certa? Você consegue saber quando é o momento perfeito para alguma coisa? O momento certo de realizar seu ensaio, é quando você decide. Porque perfeito não existe e acaba se tornando uma desculpa para você adiar seus sonhos. A beleza é um conceito muito discutível, o que um acha belo não necessariamente é belo para outro. E dai? Você realmente acha que precisa da aprovação do outro para ser plena? A grande liberdade é quando você vive bem com você mesma, e o  Boudoir acaba sendo o dia de registrar essa conquista, de realizar seu desejo e ver que sua singularidade a faz a mais linda de todas. Nada substitui o amor próprio.

Porque fazer um ensaio?

E porque não? Não existe momento perfeito, nem para seu ensaio Boudoir, nem para nada! Sempre temos a impressão que devemos perder aqueles 3 kgs, a pele estar melhor, malhar mais um pouquinho, ter mais um dinheiro na conta. Mas isso tudo é motivo que usamos para nos boicotar. O ensaio Boudoir deve ser feito quando a vontade bate, quanto o desejo de trabalhar sua feminilidade, sensualidade e auto estima gritam por você.

O ensaio é muito mais do que o resultado que obtemos nas fotos lindas, é uma experiência do universo feminino, um trabalho de conexão com seu lado mulher. A preparação, a escolha das produções, referências, a hora da maquiagem e cabelo, momentos só seus e que você é centro das atenções.

 

AEF_6546-2-12-2.jpg

Libertas

Libertas

Neste sábado, 5 de dezembro, às 18h, será realizado um duplo evento fotográfico na Glória, a segunda Mostra Fotográfica GIF e a entrega do prêmio Carlos Lacerda, em comemoração aos 50 anos da inauguração do Aterro do Flamengo.
O evento acontecerá no auditório do Memorial Municipal Getúlio Vargas e na Praça Luís de Camões:

Auditório do MMGV

18h: 2ª Mostra Fotográfica GIF 2015 - Exibição dos trabalhos dos fotógrafos André Flores, Andréa Elkind, Antônio Emygdio, Eduardo Almeida, Eliana Aguiar, Flávio Veloso, Gabriela Massote, Luiza Mesquita, Marco Antônio Portella, Mônica Nogueira, Rafael Moreira, Regina Cabral de Mello, Renato Rocha Miranda, Renato Wrobel, Sandro Vox, Sérgio Morais, Theka Caiado, Thelma Vidales, Carlos de Souza e Viviane Angeleas.

19h: Premiação do I Concurso de Fotografia Carlos Lacerda. Exibição das fotos dos 10 finalistas e anúncio do vencedor seguido da entrega do prêmio.

Empena do Monumento do Memorial Municipal Getúlio Vargas na praça Luís de Camões

20h: Projeção das fotos da 2ª Mostra Fotográfica GIF


Realização: Nozes da Comunicação
Apoio: GIF (Grupo Interessado em Fotografia), Ateliê Oriente e Secretaria Municipal de Cultura - Memorial Municipal Getúlio Vargas
 

Read More